É realizado segundo os princípios de justiça social e econômica e no pleno respeito ao meio ambiente e as culturas.

Reconhece a centralidade da comunidade local e o seu direito em ser protagonista na propriedade e na gestão dos empreendimentos turísticos.

Incorpora os conceitos fundamentais da economia solidária: autogestão, solidariedade, cooperação.

Nosso desafio e promover um turismo SOCIALMENTE JUSTO, ECOLOGICAMENTE CORRETO, ECONOMICAMENTE VIÁVEL, e CULTURALMENTE DIVERSO.

SOCIALMENTE JUSTO

Os projetos turísticos devem construir relações de trabalho justas, no pleno respeito dos direitos dos trabalhadores, promovendo a valorização das mulheres e das populações mais desfavorecidas e a proteção das crianças.

A participação democrática de todos os atores do território no processo de planejamento e decisão é um prerrequisito para que a comunidade se beneficie efetivamente dos resultados.

É importante que cada comunidade:

Se expresse em relação ao seu desejo de receber um fluxo de turismo, oferecendo ou não disponibilidade ao encontro;

Planeje coletivamente propostas de acolhimento e outros serviços adequados ao seu contexto;

Estabeleça regras e limites de funcionamento da atividade turística;

Gerencie de forma coletiva;

Ofereça oportunidades de participação a todos os membros da comunidade;

Avalie coletivamente os resultados e os impactos das atividades turísticas;

Estabeleça com os parceiros relações de cooperação éticas e solidárias.

ECOLOGICAMENTE CORRETO

O dimensionamento adequado da atividade turística em um território, levando em conta os limites de carga do local e o monitoramento dos eventuais impactos ambientais, são elementos-chave para garantir a sustentabilidade.

No planejamento de infraestruturas turísticas é preferível optar por construções de menor porte, compatíveis com a paisagem e a arquitetura local, que utilizem preferencialmente matérias primas regionais.

Para garantir a sustentabilidade do turismo é relevante a preocupação com a utilização de tecnologias apropriada para reduzir o consumo energético, assim como com o tratamento e a reciclagem de resíduos e estratégias para minimizar o desperdício de água.

ECONOMICAMENTE VIÁVEL

O turismo precisa se integrar na economia local e no desenvolvimento territorial, evitando se tornar um elemento de desequilíbrio, harmonizando-se com as atividades tradicionais, dinamizando a economia local e oferecendo oportunidades de inclusão socioeconômica.

Nas relações entre os vários atores é fundamental garantir preços justos, que garantam a cobertura dos custos, a melhoria das condições de vida e o desenvolvimento da comunidade receptora.

É de extrema importância definir como distribuir de forma justa o retorno econômico da atividade turística no contexto da comunidade e do território.

A relação com operadores turísticos e outros atores do mercado deve ser caracterizada por respeito recíproco, confiabilidade e transparência.

CULTURALMENTE DIVERSO

O turismo deve promover a aproximação e a paz entre os povos, respeitar as diversidades sociais e culturais, privilegiar o ser humano.

A viagem é um momento de encontro e troca entre pessoas e culturas que tem no respeito recíproco, na acolhida e na hospitalidade seus aspectos mais importantes.

As atividades turísticas devem contribuir para valorização do modo de vida e da cultura das populações tradicionais, estreitamente relacionado aos ecossistemas que asseguram sua sobrevivência.

É preciso evitar que o turismo sufoque as outras atividades econômicas, induzindo uma homogeneização cultural.

A interação dos operadores e dos visitantes com a realidade local precisa ir além do momento da viagem, promovendo projetos que contribuam a melhorar o conhecimento e a compreensão recíproca e as condições de vida das comunidades receptoras.